Indie- Que catso é isso?

t_16706Bom, muito anda se falando sobre os indie-rpgs, e tão falando muita besteira também, vou tentar esclarecer um pouco o cenário.

Originalmente, o rpg indie era um rpg criado por uma pessoa ou um grupo, sem o apoio de uma grande editora. Por isso Indie- Independente.


t_16199_01

Mas não é só isso, as pessoas que escreviam esses rpgs muitas vezes nutriam um certo desgosto pelos rpgs das linhas tradicionais, como vampiro e principalmente D&D. Um elemento importante da origem do cenário Indie é que eles estudavam a teoria do rpg, ou seja, eles se perguntavam a respeito da intenção do jogo e do sistema, a intenção ao se escrever aquilo, a imagem ou sensação que se quer passar, a experiencia que se quer alcançar e acima de tudo o objetivo daquele jogo.

t_16689Essa pequena parte causou uma certa confusão, por que as pessoas que pensam em rpg indie acabam pensando no The forge e no seu criador, nos estudiosos sobre teoria de rpg. Alguns enganos como por exemplo pensar que eles dividem os rpgs em simulação narração e jogo é um erro, por que essa é uma das formas de se enchergar os rpgs que existiam no momento que o autor escreveu isso. Pra acabar com a confusão, os autores indies pensam muito na intenção de seus jogos, e por isso ‘estudam’ tanto a proposta como o sistema.

Esse movimento acabou tomando um rumo específico, e hoje em dia não é mais simplesmente a casa dos pobres sem editora.41nxmzvvlgl_sl500_aa180_

O rumo foi interpretativo, eles aprenderam muito com lives e hoje fazem jogos com poucas rolagens e muita interação, muita interpretação. Além disso eles desenvolveram uma linha forte de rpg-elaboração, ou seja, jogos que além de divertir servem para se pensar em assuntos pesados, como escravidão, abuso sexual, alcolismo, insônia/loucura, pobreza e transexualidade. t_16185_01

Esses exemplos não foram dados a toa, existe pelo menos um rpg dedicado para cada um desses temas, e com certeza existem muitos outros.

O importante é: rpgs indie de matar-pilhar-destruir são muito raros, e quando existem pedem um sistema bem simples. Outro motivo para a simplificação da ‘resolução de conflito’ (vai aprendendo os termos), é que aparentemente para um sistema sair redondinho são necessários muitos meses de playtesting, teste com jogadores, e esses caras não são lá muito cheios da grana.

Ainda vou falar muito de rpgs indies, das consequências pro nosso cenário rpgistico mundial e brasileiro, das coisas importantes que esses autores descobriram, mas antes disso preciso dizer que : Rpg indie é ótimo para alimentar a nossa criatividade, dar novas idéias, encher o armário de personagens novos.

t_16604_01

Se interessaram acompanhem a Red Ninja Press, por que falarei (vou tentar né gente) sobre um rpg indie por semana.

9 Comments

  1. Muito bom Viking… Eu mesmo nunca toquei no assunto por que não sabia patavinas da teoria de indie-RPG…

    Me diz, o sistema de regras desses sistemas são liberados para uso? Tipo, se alguém quiser traduzir ou criar um suplemento, pode?
    Existe algum já traduzido para o português?

    Até mais e continue as matérias…

    • Muito boa suas perguntas, eu tenho algumas respostas mas vou estudar melhor antes de responder e vou transformar a resposta num post!
      Obrigado pelo toque Nordestinus
      PurpleViking

  2. Eu penso sériamnte em criar um RPG Indie. Com um sistema de regras pseudo D&D, bem simples (até mais que os old schools da vida)…
    Um jogo bem ação e rápido, como um jogo simulando batalha aéreas rápidas e mortais.

  3. Blog nota 10!

    Conteúdo e layout bacanas!

    Estava lendo outras matérias e aproveitei para postar aqui mesmo, onde todo mundo está agrupado! Pretendo acompanhar o Blog.
    Quando fizer um banner me envia para linkar no meu blog.

    Abrçs e Bons Jogos.

  4. Fino demais!
    Estes rpgs indies são produzidos e distribuídos de qual forma?
    O que poderíamos fazer para dar um gás na divulgação?
    ^^

3 Trackbacks / Pingbacks

  1. Indie- Cozinhando o bicho | Red Ninja Press
  2. Vozes da Terceira Terra » Cartas de Maio/09
  3. Cartas de Maio/09

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*