Bonjour! Você joga com a Bela ou a Fera?

beauty_and_the_beast_S-91278Buscamos jogos diferentes. Jogos que nos emocionem, talvez pelo desafio, pela possibilidade de caracterização, mecânicas de imersão e ambientação envolvente.

Quando paramos para ver somos como a pequena Belle que anda pelo vilarejo francês com os olhos colados nos livros, se deliciando com os personagens sem se envolver com os sistemas que estão em volta.

Infelizmente para os que chegaram até aqui esperando ver uma versão não-oficial de um jogo Disney, isso não é o que farei. Vou na verdade usar a metáfora de Belle como exemplo das nossas relações com sistemas e descobrir possibilidades diferentes de jogo com os mesmos sistemas.

(enquanto você lê isso coloque pra tocar Bonjour! da Bela e a Fera)

Belle é uma eterna insatisfeita, sem namorados, com um pai descabelado e sem profissão. Gastão se oferece pra ela, não só por que ela é bonita mas por que ela se faz de dificil, cria barreiras entre eles. Gastão é D&D. Um sistema conhecido, venerado por outros, simples e bem desenhado ele não desiste de conquistar todos e oferece a porrada como a melhor saida.

Por outro lado, Belle tem seu pai, GURPS, perdido cheio de mecanicas ineficazes e sem personalidade marcante (sem hatemail de gurpistas ein), com ele ela fica na mesma e não se diverte. Ela vai atrás dos livros de história buscando exatamente o espírito rpgístico, aventura e magia, mas infelizmente a loja não consegue trazer livros o suficiente para seu apetite.

Então seu pai se perde e ela conhece a Fera, Vampiro, uma criatura perturbada que se odeia e que adora fazer monólogos onde a maldição própria, que em geral envolve outras pessoas, passa a ser o drama da vez. Belle se interessa, mas mesmo pra ela a Fera é emo demais, ela passa a humanizar ele e depois de uma batalha de D&D…. bem ele acaba ficando mais light. Mas ela acaba se apaixonando pelo “Vampiro” mesmo… e aqui estamos nós jogando Vampiro, mas tentando envolver outras pessoas além de nossas sombras obscuras, transformar o jogo em algo mais mesclado além do nosso drama pessoal, mas muitas vezes ficamos só nós e amobília interpretando.

Bom, o que fazer?

Poderia ter longas discussões a respeito disso, mas simplesmente posso dizer que a melhor cena do desenho “A Bela e a Fera” é a inicial da música que dá nome à esse artigo, talvez algumas meninas prefiram a dança de salão,  não vou entrar em detalhes a respeito do gosto delas. A cena da cidade é a melhor por que é a que envolve mais “vida”, mais envolvimento e uma ambientação mais complexa. Por essa cena podemos entender a intenção da maior parte dos personagens,  a era em que o jogo se passa, a forma de relação social que é corrente, o tipo de mercado e habitos sociais.  Vou sair numa tangente e afirmar que as melhores cenas disney são as mais sociais:

  • A pequena Sereia: Under the sea
  • Alladin: Prince Ali
  • O corcunda de Notredame: A apreciação da cidade
  • Mulan: “O treinamento”
  • Robos: “O concerto”

Claro que temos diferentes movimentos culturais dentro dos filmes Disney, e estou tentando me concentrar naquelas focadas em adolescentes e logo nos elementos que vivenciamos e com os quais encontramos quando jogamos. Por isso não entrei nas variações infantis de Andersen (Branca de neve, Cinderela), nem nas romantizações de contos (Dama e o vagabundo, Aristogatas) ou nas novas feitas pra competir com a dreamworks (Vida de inseto,  Zoo). Muitas das cenas também são o que eles chama de Montage , ou seja uma colagem de cenas mostrando que os herois aprendem e o tempo passa, o que é sempre divertido.

De qualquer forma, sem entrar na política anti-semita de Walt Disney ou nas imagens pornográficas escondidas nos videos, podemos tentar continuar com nossa  metáfora.

Coletivo. Jogo descente é de alguma forma coletivo, em cena e em emoção, em envolvimento, em consenso e em ação. Busca por contato, por atividades de grupo e por descobrimentos que são sempre inevitavelmente descobrimentos com pessoas, seja na presença delas ou na interação com elas. Até o genial House só se dá conta de alguma coisa importante enquanto troca idéias.

Resposta à pergunta titulo do artigo: Melhor não jogar com nenhum dos dois, são antisociais e fazem um joguinho sado-maso onde ninguém se diverte, seja o padeiro, o livreiro, o candelabro, o puff ou quem sabe o próprio Gastão, pelo menos o objetivo dele envolve pessoas e não ilusões.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*