Indie- Você conhece Grey Ranks?

Começamos no nosso site um “movimento” chamado Sociedade Indie, que não tem nada a ver com o “Rpg Indie” em si e sim com rpg nacional. Muitos se perguntaram por que chamam assim? Bem o meu motivo principal foi chamar a atenção do mercado nacional para o evento Indie, e por que o próprio rpg Indie começou com pequenos produtores escrevendo seus próprios rpgs e depois virou um movimento rpgistico específico. Para os que vem lendo nosso site, sabem que venho escrevendo sobre rpg Indie a um tempo já….. mas a questão é Você conhece um rpg Indie de verdade?


A primeira coisa que realmente gostaria de tirar da mente dos rpgistas savants é: indie não está relacionado com a discussão sobre os tipos simulators, narrators e gamer. Esse artigo surgiu no mesmo site que foi o ponto de encontro de vários designers indies, mas os rpgs indies de hoje não seguem de forma alguma essa classificação…. e para dizer a verdade, nem o D&D de hoje é mais gamer (essa explicação ficará para outro artigo)

Falei sobre tipos de rpg indie, uma classificação inteiramente arbitrária criada por mim mesmo, e escrevi alguns reviews anteriormente sobre livros indie. Hoje irei falar sobre um rpg indie, premiado, completamente diferente e tentarei mostrar por que ele faz parte de uma categoria diferente.

Grey Ranks

Grey Ranks é o rpg onde os jogadores assumem o controle de jovens poloneses da resistência durante a segunda guerra Grey_ranks_cover_finalmundial, adolescentes que foram recrutados com doze e treze anos, uma referência histórica real.

Para sentir a diferença ja comece sabendo que Grey Ranks tem uma mecânica de fim de jogo, o que significa que alguma coisa na jogabilidade aciona um evento que irá terminar o jogo e o destino dos personagens é o mesmo dos adolescentes reais nessa situação: a morte.

Grey Ranks contará os ultimos dias de vida desse grupo, sobre o ponto de vista do equilibrio emocional deles, sendo que o jogo avança de acordo com as mudanças no estado emocional, que como já avisei anteriormente, os levará à morte. Poderão “escolher” pela interpretação alguns ótimos finais como Martir e Suicídio. GR ainda tem uma mecânica de flashback que permite os jogadores evocarem aspectos dos personagens através de flashbacks, que podem incluir mais personagens. As cenas do jogo são acionadas e todas correspondem à uma data específica de 1944.

GR é um prato apimentado que muitas vezes é escolhido apenas uma vez, e você precisa de um tempo para digerir as cenas e as emoções antes de pular para outra partida. Mas para os que só sentiram o peso de GR, saibam que ele ganhou o prêmio de melhor Rpg Indie e Rpg Indie mais inovador de 2007. Provavelmente o que chama atenção no GR é a arte, não os desenhos (que nem parecem tão bonitos) mas o efeito artistico causado pelas cenas, as mecânicas e o ritmo do jogo.

A estética da experiência do jogo, assim como assitir a um bom filme ou escutar uma boa música, essa é a busca de muitos rpgs Indie. Você pode discutir “Mas quando eu sugo o sangue com meu Gangrel é arte…” , bom …. gosto a parte, é diferente, o que se busca no rpg Indie é uma experiência de prazer estético com o todo, que muitas vezes alcançamos com nosso rpg mundano, mas o foco dos nossos outros rpgs muitas vezes se concentram no indivíduo, afinal Vampiro é o rpg de horror pessoal. No indie existe realmente um evento grupal, uma busca do grupo para alcançar a beleza da história que esta sendo contada, por isso mesmo que utilizam de mecânicas de fim de jogo, para que você se desapegue do seu personagem e se concentre no momento do jogo e não na fantasia de como ele seria com um epic path (D&D) ou VCR 3 (Shadowrun).

Sem querer empolgar muito, mas já amarrando as pontas, o rpg Indie tenta se concentrar no agora, e na apreciação do que ja foi construido, enquanto o rpg Comercial se concentra no que você pode ser, no que poderá ser alcançado e conquistado, no futuro do próprio jogo. Ironicamente é no passado do jogo comercial que mais empolgamos, é lembrando de cenas inusitadas ou primorosamente interpretadas que nos deliciamos. Por esse motivo que existe “um gosto de comida caseira” no rpg Indie, não só por que é feito em casa, mas por que é simples e gostoso, se concentrando no mais nutritivo… o presente.

Ps: Para nossos colaboradores, não se assustem, a Sociedade Indie não vai obrigar vocês a escreverem rpgs Indie, escrevam o que quiserem, nada melhor que um rpg bem feito, independente de seu partido ou origem!

1 Comment

  1. “o rpg Indie tenta se concentrar no agora, e na apreciação do que ja foi construido, enquanto o rpg Comercial se concentra no que você pode ser, no que poderá ser alcançado e conquistado”
    muito bem dito. Otimo post, parabens!

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*